Uma vez mais

Deixa-me o teu sabor na minha boca uma vez mais. Funde o teu toque no meu e vamos esperar. Esperar que o amanhã seja melhor e maior, que o hoje seja um empecilho e que o ontem se arraste por entre o nevoeiro do tempo e que se apague, bem longe de nós. Vamos esperar que volte aquilo que na verdade nunca perdemos, aquilo que nos fugiu ao longo dos dias, aquilo que sabe ser nosso e de mais ninguém e que, por muitos anos que passem, guarda em si a ideia de regressar e esconde, em si, as saudades da distância. A paixão não é certa; o amor é eterno. E tu só amas uma vez, de cada vez. Quem ama é um perpétuo jovem que nunca deixa morrer a alma e perder quem a faz respirar. É um adulto de noventa anos que abriga a criança que já foi num baú aberto a sentimentos que cada um vai largando sempre que por ele passa. Não basta adorar, entrelaçar os dedos e fechar os olhos enquanto dois corpos se tocam e se perdem em lençóis usados. Amar é mais do que isso: é a eterna questão para a qual o ser humano ainda não encontrou resposta, a incessante pergunta a que tentamos responder todos os dias, cada dia um pouco mais, de maneiras diferentes ou de formas iguais. É o que faz arder o coração e deixá-lo em banho-maria, o que nos tira o fôlego com um simples contacto, o que nos arrepia a pele apenas com um leve beijo. Vem e deixa-me o teu sabor na minha boca uma vez mais. Deixa-me amar-te enquanto me amas a mim e juntos nos perdemos na magnitude de um sonho conjunto. Dá-me a mão, deixa-me sustentar os teus devaneios e eu deixo-te que faças crescer os meus. Vem, vamo-nos perder enquanto esperamos. Vamos ser um enquanto somos dois, vamos fazer magia e abandonar os relógios na esquina. Vem, não há tempo a perder.

Comentários

Raquel M. disse…
Fantástico!

O amor enche, preenche e dá vida :)
jefhcardoso disse…
a,r, que convite fantástico esse que faz! Lindo mesmo! E o que é o tempo pra quem quer o amor?

http://jefhcardoso.blogspot.com
Nitinha disse…
Gostei :)

Vou seguir*
ana moura disse…
muito obrigada, o teu é lindo*

Mensagens populares